Luta de sindicatos garante direito dos servidores do judiciário goiano

Os servidores do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) vão receber, com juros e correção monetária, as perdas salariais decorrentes da conversão incorreta do Cruzeiro Real para Unidade Real de Valor (URV), em 1994. O anúncio foi feito na tarde de ontem (08/06) na sede do TJ com a presença do presidente do Tribunal, desembargador Gilberto Marques Filho, e do vice-governador do Estado, José Eliton (PSDB), o Secretário da Casa Civil João Furtado e o Procurador Geral do Estado –  Alexandre Tocantins.

O presidente do Sindicato dos Oficiais de Justiça Avaliadores de Goiás (Sindojusgo), Moizés Bento participou desse momento histórico. “Reconhecemos e parabenizamos o trabalho desenvolvido ao longo de todos esses anos pelo Sindicato dos Servidores e Serventuários do Estado de Goiás (Sindjustiça) e pela Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego), em prol desse benefício a todos os integrantes do Poder Judiciário Goiano. É uma satisfação trabalhar ao lado de entidades interessadas e engajadas na busca de benefícios aos seus filiados e que reconhecem no Sindojusgo uma entidade parceira na busca de novos benefícios”, explica Moizés Bento.

Segundo Rosângela Ramos Alencar, presidente do Sindicato dos Servidores e Serventuários da Justiça do Estado de Goiás (SindJustiça), esta é uma luta antiga dos servidores. Ela explicou que o SindJustiça ingressou com uma ação judicial e outra administrativa para receber essas diferenças, do período de 1994 até o atual. Contudo, o Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que os servidores não teriam direito ao pagamento do período de 2006 adiante.

Os magistrados e servidores começam a receber os valores devidos a partir de hoje (09/06), já na folha salarial de junho. Os pagamentos serão divididos em 100 parcelas para os servidores e em 130 para os magistrados. O presidente explicou que o equívoco na conversão salarial foi de aproximadamente 11%, e que é uma conquista para os servidores goianos o pagamento da correção monetária.

“Essa diferença ocorreu no Brasil inteiro. Conseguimos agora, junto ao nosso governador Marconi Perillo [PSDB], fazer justiça aos nossos servidores. Estou muito feliz em estar vivendo este momento”, disse o desembargador durante entrevista à imprensa.

Para o presidente do Sindojusgo o empenho do presidente do TJ-GO foi fundamental para o resultado tão satisfatório. “Precisamos reconhecer o trabalho desenvolvido pelo presidente do TJGO, Dr. Gilberto Marques e sua equipe  que não mediram esforços para buscar, junto ao Governador do Estado, Marconi Perillo o direito ao pagamento da URV aos servidores e magistrados”, ressalta Moizés Bento.

O vice-governador do Estado, que na solenidade representava o governador Marconi Perillo, ressaltou em seu discurso o trabalho orçamentário feito pelo governo estadual para cumprir o compromisso do Estado com os servidores do Tribunal. “Foi preciso uma discussão orçamentária intensa para que fosse possível materializar esse direito dos servidores do Tribunal goiano. Só conseguimos porque foram meses de estudos e graças ao rigoroso ajuste fiscal realizado pelo governador Marconi Perillo”, ressaltou.

Na ocasião o presidente do TJ-GO confirmou que as negociações com o Sindojusgo e as demais entidades continuam, a fim de implantar o Plano de Cargos e Salários (PSC). “Buscamos a valorização dos servidores do judiciário goiano melhorando as condições de trabalho, garantindo direitos e melhoria vencimental. Hoje tivemos uma vitória que nos ensinou que as entidades precisam insistir no diálogo e na união das categorias”, conclui o presidente do Sindojusgo.