Sindojusgo vai ao TSE, Congresso Nacional e CNJ em prol dos oficiais de justiça do Brasil

Essa semana o presidente do Sindicato dos Oficiais de Justiça Avaliadores de Goiás, Moizés Bento esteve em Brasília, juntamente com o advogado da instituição, Gleidson Emanuel, com o presidente da Federação dos Oficiais de Justiça (FESOJUS), João Batista Fernandes e com o presidente do Sindojus-MT, Luiz Arthur de Souza.

A comitiva se reuniu com assessores da presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para protocolar pedido de revisão da resolução 23527/2017 que disciplina a designação de oficial de justiça e o reembolso de despesas advindas do cumprimento de mandados no âmbito da Justiça Eleitoral. “Solicitamos melhorias nas indenizações ou na antecipação dos pagamentos dos oficiais de justiça, que seja feito por diligência e não por mandado”, explica Moizés.

No Congresso Nacional os representantes dos oficiais de justiça do Brasil se reuniram com senadores que integram a Comissão de Relações Exteriores e que pediram audiência pública para discutir o porte de armas para oficiais de justiça. “Pedimos que esses senadores retirem o pedido de audiência pública para dar celeridade ao projeto. Alguns senadores demonstraram ser favoráveis ä retirada do pedido de audiência pública e a aprovação da matéria”, ressalta o presidente do Sindojusgo.

Ainda em Brasília o grupo acompanhou, no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o julgamento do recurso em face da resolução 219 que dispõe sobre a distribuição de servidores, de cargos em comissão e de funções de confiança nos órgãos do Poder Judiciário de primeiro e segundo graus.
“Temos trabalhado incessantemente para garantir e ampliar os direitos dos oficiais de justiça do Brasil. Muitas vezes não conseguimos nem dizer quantas ações temos feito porque nos falta tempo para divulgação. Ainda em Brasília fomos agendar uma audiência com o novo diretor da Polícia Federal e que é ex-oficial de justiça. Acreditamos que ele possa nos ajudar muito com alguns trâmites importantes para a categoria”, finaliza Moizés.

Representantes dos oficiais de justiça do Brasil se reúnem em Brasília para tratar de demandas importantes para a categoria